Em memória de Fernando Otoni Pimenta

Hoje faz trinta dias que o nosso irmão Fernando Otoni Pimenta se foi para a casa do Pai, sereno e simples como em toda a sua vida. Entre outras funções importantes, Fernando foi Presidente Diocesano da RCC, em meados dos anos 2000.

Mais uma vez, em nome da RCC diocesana gostaria de manifestar minha gratidão a esse irmão que, enquanto esteve conosco, honrou os propósitos desse movimento de evangelizar com renovado ardor missionário a partir da experiência do batismo no Espírito Santo. Agradecer pela serenidade, pela amizade sincera, pela acolhida sempre angelical em sua casa, lugar onde podemos afirmar que a RCC floresceu e se difundiu.

Em homenagem a Fernando e a sua família, aproveito para lembrar, nesses tempos que estamos vivendo, a importância dos lares na difusão da Cultura de Pentecostes. A casa de Maria, mãe de São João Marcos, foi o primeiro lugar de reunião dos cristãos, a primeira Igreja de fato. Naquela casa em Jerusalém, no andar de cima, numa sala de jantar, que em latim era chamada de cenáculo, o Espírito Santo nos foi dado como dom supremo. Lá se realizaram as primeiras Liturgias, as Vigílias de oração nas madrugadas de domingo, os ensinamentos dos Apóstolos, as reuniões, em comum e a Fração do Pão (Cf. At 2, 4. 12, 12). A partir dali, muitas outras casas, espalhadas pelo Oriente Médio e Europa se tornaram verdadeiras Igrejas, onde se ensinava o povo e celebrava a Eucaristia (At 5, 42. 20, 7s). Os templos como conhecemos hoje só puderam começar a ser construídos quase duzentos anos mais tarde…

A Igreja mudou muito desde então, mas os lares continuam sendo lugar especial de efusão do Espírito Santo, como a casa de Maria em Jerusalém. Agradeço imensamente a Fernando e Gorete por permitirem que, tantas vezes, sua sala de jantar em Prado se tornasse de verdade um Cenáculo semelhante ao de Jerusalém, de oração, de partilha da Palavra, de acolhida e de ação de Deus. Por extensão, agradeço a todos que, da mesma forma, permitem que a luz do Espírito Santo se faça irradiar de dentro do seu lar ao lar de muitos irmãos e irmãs em nosso Diocese e no mundo, edificando firmemente a Igreja de Cristo.

Vivemos tempos difíceis, não podemos negar. Mas outros irmãos, de outras épocas, viveram tempos semelhantes e até piores. Nem a nós nem a eles coube julgar ou reclamar do tempo em que vivemos. Como diz um famoso escritor católico: “O que nos cabe é decidir o que fazer com o tempo que nos foi dado” (J. R. R. Tolkien). Decidamos então transformar-nos pela renovação do nosso espírito como nos ensina São Paulo (Cf. Rm 12, 2) e como nos orienta a RCC do Brasil.

Nosso eterno obrigado a Fernando Pimenta. Em sua pessoa sejam homenageados todos os que partiram lutando até o fim por essa Cultura de Pentecostes. Sigamos nós também até se esgotarem nossas forças. Até que o nome de Deus esteja sobre nossas frontes. Até que não haja mais noite e não precisemos da luz da lâmpada, nem da luz do sol. Até o dia em que o Senhor brilhe sobre nós e possamos reinar por toda a eternidade (Cf Ap 22, 4-5).

Helber Clayton Costa dos Santos
Presidente do Conselho Diocesano da RCC
Diocese de Teixeira de Freitas-Caravelas/BA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *